sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Caminhar

Eram vários caminhos diferentes, um ao lado do outro. Não se sabia o destino de nenhum deles. Inicialmente eram caminhos iguais, começavam em um túnel de onde só se via luz, mas não o caminho. Não lhe foi dada a opção de escolher por qual caminho seguir, mas ela sabia que precisava caminhar. Os primeiros passos foram os mais fáceis sempre guiados por uma presença que lhe ensinava como seguir, como se levantar quando caía, que lhe corrigia quando ela teimava em não querer caminhar, que lhe contava histórias do mundo que a esperava.

Ainda não havia caminhado muito e com certeza nem sempre sozinha, seu caminho cruzou vários caminhos, e ela caminhou com grandes amizades e com grandes amores, até que um dia os caminhos voltaram a se separar e cada um seguiu o seu, da sua estrada ela ainda vê os amigos em suas caminhadas e acena de tempo em tempo, para que eles saibam que mesmo caminhando sozinhos, ainda andam juntos.
No caminho havia buracos e subidas e decidas e curvas sinuosas, e quando chovia, às vezes tinha lama. Mas a paisagens era linda, e os pássaros cantavam e havia fontes de águas claras para se refrescar quando o cansaço ameaçava derruba-la, havia também o tronco forte das árvores ao longo do caminho, onde ela podia se encostar e descansar para seguir em frente quando pensava não poder mais.
Do seu caminho ela via a caminhada de outras pessoas, e o caminho de alguns parecia tão mais fácil, cheio de regalias e vantagens, mas ela podia notar que o céu deles era cinza e não haviam pássaros ou árvores. Outros caminhavam por caminhos ainda mais difíceis que o dela, mas sempre com um sorriso no rosto e com a esperança de que o asfalto vai chegar. Outros haviam desistido de caminhar e simplesmente deixaram de existir.
Um dia logo após uma grande descida cruzou o caminho de um rapaz que agora lhe faz companhia, e eles caminham juntos, com a esperança de que seus caminhos não se separassem mais.
Ao longo de sua caminhada nem tão longa assim, ela aprendeu e sofreu muito, mas sorriu mais ainda. E com a esperança de um longo caminho pela frente, certamente com muitas montanhas para subir, pontes a atravessar e também belas paisagens, ela ainda não sabe para onde caminha, mas já aprendeu que o que importa na verdade não é o destino, e sim os caminhos por onde andou, as pessoas que conheceu e tudo o que aprendeu.

Joice Stêfani

P.s.: Eu sei, isto não é Literatura, nem foi esta minha pretensão são apenas algumas idéias transformadas em escrita.