sábado, 9 de outubro de 2010

Pode parecer cliché mas é verdade.

Outro dia enquanto voltava da faculdade me peguei observando as estrelas pela janela do ônibus. Na estrada escura, entre a cidade onde estudo e a cidade onde vivo, é possível notar como o céu do interior de Rondônia é estrelado e bonito. Mas o que me surpreendeu mesmo foi o fato de eu raramente fazer isto, simplesmente parar e observar as estrelas, o dia é sempre tão corrido, trabalho, casa, faculdade, são tantas coisas que, sinceramente, quando entro no ônibus o que eu quero mesmo é dormir. Nesta noite eu quis conversar com Deus, agradecer. Enquanto conversava com Ele, eu observava a estrada e o céu, e então, notei as estrelas. Lembro-me que quando era criança minha mãe dizia que se fizéssemos um pedido à primeira estrela da noite o pedido seria atendido, e eu ficava todas as tardes na janela de casa, daquela cidadezinha do interior de Minas, esperando surgir a primeira estrela, e quando a via eu repetia a frase que minha mãe ensinou “primeira estrela que eu vejo, realize o meu desejo” e então eu fazia sempre o mesmo pedido, não vou contar o que é, pois ainda não foi atendido, e a esperança é a última que morre.  Independente da eficácia das estrelas. O que eu quero dizer é que vivemos tão ocupados que não temos tempo para apreciar as coisas simples da vida, vivemos tomados pelo desejo de ter cada vez mais, de ser cada vez melhor, e nos esquecemos que pequenas coisas, como observar as estrelas e conversar com Deus, podem fazer toda a diferença. Em um dia onde tudo parece ter dado errado ao observar as estrelas você percebe que no final tudo vai dar certo, assim como na escuridão da noite surgem as estrelas, nos seus dias mais sombrios surgirão fachos de esperança. É preciso dedicar um pouco de tempo para apreciar as coisas mais simples, e perceber que por mais difícil que seja a vida, há pequenas coisas que trazem enorme contentamento. No meu caso, observar o meu cachorro ser um cachorro, sempre coloca um sorriso no meu rosto. Descubra qual é aquela coisinha boba que te faz sorrir e tente fazer aquilo todos os dias e você verá como aquele momentozinho de alegria faz toda diferença no final do dia. Pode parecer cliché mas é verdade, há muita felicidade nas coisas mais simples da vida.

terça-feira, 20 de julho de 2010

sábado, 29 de maio de 2010

Não me vejo mais em mim

Sinto falta do seu sorriso,
Do brilho em seus olhos,
Da alegria contagiante,
Das maçãs coradas,
Da dedicação desarmada,
Da fome de viver.
Refletido no espelho,
O que eu vejo é saudade,
Saudade do que eu era antes de você.

Joice Stêfani

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Happy B-day Baby!

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Feliz Aniversário Mirelle!!




Posted by Picasa

segunda-feira, 3 de maio de 2010

As sem-razões do amor

 Para começar bem a semana, um belo poema de Drummond.

As sem-razões do amor

Eu te amo porque te amo,



Não precisas ser amante,



e nem sempre sabes sê-lo.



Eu te amo porque te amo.



Amor é estado de graça



e com amor não se paga.







Amor é dado de graça,



é semeado no vento,



na cachoeira, no eclipse.



Amor foge a dicionários



e a regulamentos vários.







Eu te amo porque não amo



bastante ou demais a mim.



Porque amor não se troca,



não se conjuga nem se ama.



Porque amor é amor a nada,



feliz e forte em si mesmo.







Amor é primo da morte,



e da morte vencedor,



por mais que o matem (e matam)



a cada instante de amor.

Carlos Drummond de Andrade

terça-feira, 9 de março de 2010

Mania de mudar

Muda de ideia,
Muda de mundo,
Muda de lado,
Muda de rumo.

Muda o lugar,
Muda a cor,
Muda a língua,
Muda o sabor.

Muda a vontade,
Muda o medo.
E se muda a pessoa,
Ah! Muda o beijo.

Muda a roupa,
Muda o cabelo,
Muda o perfume,
Só não muda o desejo.

Muda o amor,
Muda o tempero,
Muda noite e o dia,
E mudam as manias.

Mudar faz bem,
E a mudança é egoísta,
Se for para agradar,
É melhor nem mudar.

Mudar é imprescindível
Mas tem coisa que continua
Sua essência é você
E isto é o que não muda.

Joice Stêfani

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Caminhar

Eram vários caminhos diferentes, um ao lado do outro. Não se sabia o destino de nenhum deles. Inicialmente eram caminhos iguais, começavam em um túnel de onde só se via luz, mas não o caminho. Não lhe foi dada a opção de escolher por qual caminho seguir, mas ela sabia que precisava caminhar. Os primeiros passos foram os mais fáceis sempre guiados por uma presença que lhe ensinava como seguir, como se levantar quando caía, que lhe corrigia quando ela teimava em não querer caminhar, que lhe contava histórias do mundo que a esperava.

Ainda não havia caminhado muito e com certeza nem sempre sozinha, seu caminho cruzou vários caminhos, e ela caminhou com grandes amizades e com grandes amores, até que um dia os caminhos voltaram a se separar e cada um seguiu o seu, da sua estrada ela ainda vê os amigos em suas caminhadas e acena de tempo em tempo, para que eles saibam que mesmo caminhando sozinhos, ainda andam juntos.
No caminho havia buracos e subidas e decidas e curvas sinuosas, e quando chovia, às vezes tinha lama. Mas a paisagens era linda, e os pássaros cantavam e havia fontes de águas claras para se refrescar quando o cansaço ameaçava derruba-la, havia também o tronco forte das árvores ao longo do caminho, onde ela podia se encostar e descansar para seguir em frente quando pensava não poder mais.
Do seu caminho ela via a caminhada de outras pessoas, e o caminho de alguns parecia tão mais fácil, cheio de regalias e vantagens, mas ela podia notar que o céu deles era cinza e não haviam pássaros ou árvores. Outros caminhavam por caminhos ainda mais difíceis que o dela, mas sempre com um sorriso no rosto e com a esperança de que o asfalto vai chegar. Outros haviam desistido de caminhar e simplesmente deixaram de existir.
Um dia logo após uma grande descida cruzou o caminho de um rapaz que agora lhe faz companhia, e eles caminham juntos, com a esperança de que seus caminhos não se separassem mais.
Ao longo de sua caminhada nem tão longa assim, ela aprendeu e sofreu muito, mas sorriu mais ainda. E com a esperança de um longo caminho pela frente, certamente com muitas montanhas para subir, pontes a atravessar e também belas paisagens, ela ainda não sabe para onde caminha, mas já aprendeu que o que importa na verdade não é o destino, e sim os caminhos por onde andou, as pessoas que conheceu e tudo o que aprendeu.

Joice Stêfani

P.s.: Eu sei, isto não é Literatura, nem foi esta minha pretensão são apenas algumas idéias transformadas em escrita.